Medieval Viagra

Over a thousand years before Viagra was invented, medieval men were looking for ways to treat erectile dysfunction. We take a look at the prescriptions offered in one of the most popular medical textbooks from the Middle Ages.

medieval anatomy figures

Ahmed Ibn al-Jazzar was born in Tunisia at the end of the ninth-century. The son and nephew of physicians, al-Jazzar set up his own practice where he examined patients, and had his servant administer the medicines. When he died around the year 1980, his property included 24,000 gold dinars and a collection of books that weighed 1125 kilograms.

He was also a prolific writer, with medicine being the main topic. His best known work was called Provisions for the Traveller and Nourishment for the Sedentary – its title is misleading since it offers an in-depth guide to healthcare from head to toe. While the textbook contains little about anatomy or physiology, it did cover various diseases and problems, and supplied treatments. By the twelfth-century it had been translated into Greek, Latin and Hebrew and was widely used in Europe for the rest of the Middle Ages.

Among the topics covered by al-Jazzar were sexual diseases and their cures. He quickly gets into covering men’s sexual problems, and following the medical theory of his time believed that the wrong balance of humours in a body could make men impotent or flaccid. According to al-Jazzar, having a proper balance in the testicles was the key factor in male sexual health:

The power of sexual intercourse will only be at its best, when the temperament of the testicles is warm and moist, in a balanced measure of close to a balance, for warmth increases lust, while moisture increases sperm. If, however, the temperament of the testicles is changed very much, the power for sexual intercourse will not be proper and balanced. If, for instance, warmth and dryness dominate the temperament of someone’s testicles, this man will only have meagre sperm, because of the dryness, while his lust for sexual intercourse will still be strong because of the warmth and will pass quickly.

He then goes on to recommend various foods that would offer the best conditions for producing sperm and sexual vigour – these include chickpeas and turnips. Meanwhile beans were good for producing sperm, by al-Jazzar notes that they should be combined with long pepper, ginger or other ingredients to make sure one has the strength for sexual intercourse. If these simple foods failed to make a man virile, al-Jazzar offers several more complex remedies, such as:

There is also a prescription for an electuary which I have composed, which stimulates the lust for coitus and is good for cold of kidneys, internal flatulence, and cold of the buttocks; I have tested it, approved of it and found it to be quickly effective – success is granted by God: Take giner, galingiae, secacul, Chinese cinnamon, long pepper and linseed, of each ten mithqals; sweetmeat and peeled sweet almonds, of each twenty dirhams; seed of rocket, seed of carrot, seed of lucerne, bishop’s weed and anise, of each four mithqals; cardamom, saffron, clove, pyrethrum, pepper, nutmeg, mace, of each two mithqals. Pulverise, strain and knead these ingredients with skimmed honey and store them in a vessel which is smooth on the inside. Take in the morning and evening, each time the amount of one hazelnut, for it is a wonderful remedy which is quickly effective.

He also offers a few simpler methods:

Another ingredient which strengthens potency is cow’s milk, and its by-products. Or take half a dirham of clove, pound it and drink it with fresh milk, or the wood of galingale and keep this in the mouth, for it produces a strong erection. Or pulverise pyrethrum, moisten half a dirham of it with oil of jasmine, rub one’s penis with it, eat ginger, secacul and walnut preserves, and drink syrup of honey and juice of carrots.

He notes that in some of his prescriptions, the medicine is good for more than just sexual intercourse:

Prescription for a beverage composed by myself, which stimulates the lust for sexual intercourse, produces abundant sperm, is beneficial for stomach, kidneys and liver, as well as for those diseases caused by cold in the intestines, and which heats the body and has been tested by myself: Take seed of fennel, anise, seed of wild carrot, leaves of mint, water-mint, pennyroyal, wild origan and seed of rocket, of each 20 dirhams; 100 dirhams of seedless raisins. Collect these ingredients, macerate them in ten ratls of very hot water and leave them in it for a day and a night, then cook it over a gentle fire until one half is left, macerate and purify it. Pour the water back into the pot with an equal amount of origan-extract, and cook it with the following ingredients: saffron, ginger, galingale, clove, long pepper, Chinese cinnamon, secacul, smaller cardamon, sweet costus and mastic, of each one dirham. Pulverise, pound and bind them loosely in a fine piece of cloth. Cook this the water and origan-extract over a gentle fire while immersing it time and again until it gets the consistency of rosewater-syrup. Leave it until it has cooled of, then put it in a pot. Take a dose of one ounce dissolved in hot water, for it is an exquisite drink. If one adds to it one ratl of the extract of carrot when it cooking it strenthens one’s potency even more.

After including a couple more remedies, al-Jazzar concludes by noting a few more natural ways that could help a man to have great sex:

These include affectionate words, showing passion, kissing the cheeks, fondling with the hand, licking with the tongue, joy over the sight of the beloved, expressing one’s devotion to the beloved and refraining from dwelling on grievances against her.

The rest of this section details other sexual problems and diseases for men and women, and their treatments, including gonorrhea, nocturnal emissions,  menstruation issues, and dealing with pregnancy and childbirth. Many of the treatments he wrote about could regularly be found in medical textbooks for the next several hundred years.


Fonte: . You can read a full edition and translation of this section in Ibn Al-Jazzar on Sexual Diseases and Their Treatment, by Gerrit Bos (Kegan Paul International, 1997).

Um estudo sobre o conceito de perversão

Resumo: A perversão é um fenômeno sexual, político, social, físico, trans-histórico, estrutural, presente em todas as sociedades humanas. O construto da perversão percorre um caminho complexo, passou por várias etapas, de modo que existiram pré-conceitos; juízos de valor e idéias moralistas frente à sua principal função. Nesse enfoque, esse estudo tem o objetivo de caracterizar a perversão sob a ótica da psicanálise. Desse modo, pôde-se estudar o conceito de perversão antes e depois de Freud, entender o conceito de estrutura perversa e discutir a perversão à luz da teoria psicanalítica.

Palavras-chave: Psicanálise, perversão, Freud

1. Considerações Iniciais

A palavra “perversão” deriva do verbo latino pervertere, resulta de “per” + “vertere” (quer dizer: pôr às avessas, desviar.), o que significa tornar-se perverso, desmoralizar, corromper, depravar, ou seja, designa o ato de o sujeito perturbar a ordem ou o estado natural das coisas. A perversão em si distingue-se da neurose e da psicose de acordo com sua organização e seu funcionamento. A perversão seria exatamente o resultado da falta de recalque.

A perversão é um fenômeno sexual, político, social, físico, trans-histórico, estrutural, presente em todas as sociedades humanas (ROUDINESCO, 2007).

Em psicanálise o termo perversão tornou-se um conceito para a área por volta de 1896 quando Sigmund Freud o colocou lado da psicose e da neurose. Desse modo, a perversão encontra-se em um amplo campo de estudo, tendo em vista que engloba comportamento, práticas e fantasias correlacionados à norma social.

Com base na historicidade da perversão, detém-se, inicialmente, à Medicina, que trouxe uma visão patológica que a caracterizava como “desvio”. Freud (1905) em os “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade” traz uma inovação sobre a criança enquanto sujeito sexual e a classifica enquanto possuidora de uma sexualidade perverso-polimorfa, isto é, que pode ter várias finalidades para atingir seu objetivo e que pode permanecer no adulto.

O construto da perversão percorre um caminho complexo, passando por várias etapas, de modo que existiram pré-conceitos; juízos de valor, dentre outros. A partir desse enfoque, surge uma teoria pautada em um conjunto de comportamentos psicossexuais que visam o prazer de modo contínuo, ao passo que considera a verdade ao mesmo tempo que a nega, substituindo-a pelo seu próprio desejo.

2. O Conceito de Perversão Antes e Depois de Freud

Antes de Freud estudar esse conceito, a palavra perversão era tida como algo pejorativo, doença, censura, como algo de desordem orgânica e anormal. A medicina da época tratou a perversão como uma forma de degeneração do sistema nervoso.

A sexualidade era vista somente como modo de reprodução, portanto, toda manifestação sexual que não tivesse o objetivo de reprodução, era vista como patológica, já que colocaria em risco a preservação da espécie e a procriação.

A partir de Freud (1905) em os “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade” a perversão adquire um aspecto diferente, tendo em vista que irá fazer parte da sexualidade infantil, isto é a sexualidade infantil tem caráter perverso polimorfo, isto é, possui várias formas de obtenção de prazer. Porém, a perversão infantil não deve ser confundida com a perversão do adulto, mesmo que uma seja um ponto de partida para o entendimento da outra, cada uma possui sua especificidade.

Nessa linha de pensamento, a perversão situa-se como algo inerente à condição humana. Após as idéias de Freud, ela deixa de ser vista como algo patológico, sobretudo, o que dá o caráter de patologia à perversão é a fixação objetal.

3. Estrutura Perversa

A partir dos Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, Freud institui uma distinção entre as inversões e as perversões propriamente ditas. Esta diferença tem seu fundamento na plasticidade do mecanismo pulsional e em sua aptidão a se prestar a “desvios” em relação ao fim e ao objeto das pulsões.  As inversões corresponderiam a desvios concernindo ao objeto da pulsão, enquanto que as perversões remeteriam a um desvio quanto ao fim (DOR, 1991).

No perverso o desejo aparece pela via da atuação, ou, dito de outro modo, o perverso age, ele encena o desejo.

Do ponto de vista freudiano, a estrutura perversa parece, então, encontrar sua origem em torno de dois pólos: de um lado, na angustia da castração; de outro, na mobilização de processos defensivos destinados a contorná-la. A este título, ele evidencia dois processos defensivos característicos da organização do funcionamento perverso: a fixação (e a regressão) e a denegação da realidade (DOR, 1991).

O perverso tem uma vivência da ordem do horror no confronto com a diferença dos sexos e nisto está a confirmação de que ele está condenado a perder o objeto do desejo (a mãe) assim como o seu pênis.

4. Perversão Sob a Ótica da Psicanálise

Historicamente, as perversões de conceitos morais foram atribuídas a perturbações de ordem psíquica, as quais dariam origem a tendências afetivas e moralmente contrárias às do ambiente social do pervertido (FOUCAULT, 1984).

Os estudos sobre perversão na psicanálise podem ser divididos em três momentos: o primeiro momento se relaciona com a publicação de “a neurose é o negativo da perversão” publicado em “Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade”; o segundo momento se refere à teoria do Complexo de Édipo, que se caracteriza o núcleo das neuroses e das perversões; no terceiro momento Freud define a recusa da castração como mecanismo essencial da perversão.

Segundo Castro (2004), “num primeiro momento de construção teórica freudiana, a expressão perversão sexual designava a qualidade aberrante da própria sexualidade”, o que, em algum nível, encontrava-se em consonância com a visão médica vigente. Vamos observar como a escuta psicanalítica do sintoma perverso foi aos poucos modificando esse entendimento até que Freud chegasse à noção de perversão como condição básica da sexualidade.

De acordo com Freud (1905), a neurose é o negativo da perversão, tendo uma estreita relação com a teoria do Complexo de Édipo, que define a recusa da castração como mecanismo essencial da perversão.

Nesta obra, Freud trata da perversão como desvio da conduta sexual que não visa a genitalidade. Assim, toda criança, ao autossatisfazer-se sexualmente, poderia ser considerada perversa. Portanto, o conceito de recusa aparece como um mecanismo normal da construção da sexualidade. Posteriormente é superado, pois a castração aceita e os desejos incestuosos, juntamente com os desejos de completude, sucumbem ao recalque na normalidade, o que difere da perversão (PFITSCHER; BRAGA, 2012).

O sujeito de estrutura perversa mantém-se, contudo, excluído do Complexo de Édipo e da alteridade, passando a satisfazer sua libido sexual consigo mesmo, sob caráter narcísico. Tal estrutura dá-se por meio de uma fixação numa pulsão parcial que escapou ao recalque, tornando-se uma fixação exclusiva. A recusa da criança, em aceitar a falta fálica da mãe, ocasiona a recusa da percepção da castração, que retorna à ideia da figura da mulher com o pênis, origem da fantasia da mulher fálica (SEQUEIRA, 2009).

O que ocorre na estrutura perversa é a castração edipiana: o perverso não aceita ser submetido às leis paternas e, em consequência, às leis e normas sociais (SEQUEIRA, 2009).

5. Considerações Finais

Portanto, o conceito de perversão esteve imbuído de preconceitos, estigmas e idéias moralistas ao longo do tempo. Com o advento da psicanálise, esse termo ganhou um novo redirecionamento, se caracterizando com um conjunto de comportamentos que buscam o prazer de modo continuado. É a partir da infância que essa estrutura se constrói e se desenvolve no mundo adulto com base na fixação do desvio quanto ao objeto do desejo. Com base nas idéias psicanalíticas o nosso objeto de interesse pode variar ao longo da vida, caracterizando uma perversão ou não.


BRAGA, A.M, PFITSCHER, D.B. Estrutura perversa: Efeitos midiáticos e articulados com o social. Universidade Federal de Santa Maria, 2012.

CASTRO S. (2004).Aspectos teóricos e clínicos da perversão. Dissertação de Mestrado não-publicada, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica, RJ.

DOR, J. Estruturas e clínica psicanalítica. Rio de Janeiro: Timbre Editores, 1991.

FOUCAULT, M. O uso dos prazeres. Rio de Janeiro, Graal. 1984

FREUD, S. Três ensaios sobre uma teoria da sexualidade. In: Obras psicológicas completas: Edição Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

ROUDINESCO, Elisabeth. La part obscure de nous-même. Une histoire des pervers. Paris: Editions Albin Michel, 2007, 248pp.

SEQUEIRA, C. V. Pedro e o Lobo: O criminoso perverso e a perversão social. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Vol. 25 n. 2 2009. Disponível em:

Fonte: Alex Barbosa Sobreira de Miranda. ©



Suicide or accident: self-killing in medieval England

18th century map of England

Suicide in medieval England was both a religious and a secular concern. This is a particularly important time in the evolution of the common law and legal ideas about intent and responsibility, and is the earliest period from which central, official records on suicide are available. Self-murder was a mortal sin in the eyes of the Church, penalised by prohibition of burial in consecrated ground and also confiscation by royal authorities of the goods of the deceased and the implement used to commit suicide (the deodand), whether it belonged to the deceased or not.

Suicide or accident: self-killing in medieval England: series of 198 cases from the Eyre records

By Alice Seabourne and Gwen Seabourne

Ler aqui:

The British Journal of Psychiatry, 178, (2001)

“Em 30 alunos, três a cinco têm uma doença mental”

"Em 30 alunos, três a cinco têm uma doença mental"
Professores de 15 a 20 câmaras do país vão receber treino para detetar problemas que levam ao insucesso e até ao suicídio.


Em todo o mundo, a prestação de milhões de alunos é afetada por “problemas que não têm nada a ver com dificuldades socioeconómicas, preguiça ou dislexia”. O que os afeta, explica o psiquiatra e professor de psiquiatria e saúde mental Ricardo Gusmão, são perturbações como a ansiedade, a depressão , o défice de atenção e a hiperatividade, muito mais frequentes se poderia imaginar: “Numa turma de 30 alunos há 3 a 5 que têm uma doença mental”, garante, acrescentando que esta é uma estatística sempre igual, estejamos nós “em Portugal, Islândia, Bangladesh, Angola ou Estados Unidos”.

O impacto no desempenho – muitas vezes confundido com falta de empenho – é determinante: “Não conseguem ter a mesma capacidade de aprendizagem nem o mesmo desempenho cognitivo – e já agora também social, relacional e comportamental”, explica. “Não conseguem ter atenção, não conseguem processar a informação, descodificar a informação e exprimir os conteúdos percebidos”. Limitações que surgem “mesmo que as patologias sejam ligeiras”.

Por isso – e também porque estas perturbações podem levar no futuro a outras consequências para além do insucesso escolar – a Eutomia, Aliança Europeia Contra a Depressão em Portugal – escolheu a data de ontem, em que se assinalou o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio – para anunciar um programa de formação de professores, em quinze a 20 municípios do país, para que estes possam distinguir, na sala de aulas, o que são maus comportamentos e o que podem ser sinais de doença mental. O objetivo, para já, é treinar entre 1500 e 2000 professores.

Fonte: DN.

Porque é que não deve forçar o seu filho a beijar outras pessoas

Porque é que não deve forçar o seu filho a beijar outras pessoas
Fotografia © Tony Dias/Global Imagens. Pediatras dizem que beijo é um cumprimento demasiado íntimo para se impor a uma criança e que não é necessário para as regras da boa educação e da simpatia.


Dizer ao Gonçalo, de 4 anos, “dá um beijinho à Maria” pode ser um verdadeiro desafio. Não é muito beijoqueiro, diz a mãe, sobretudo quando não conhece bem as pessoas. “Digo-lhe sempre para dar um beijinho, mas já sei que às vezes não dá”, conta Sara Castilho, 32 anos. Com a família mais próxima, não há qualquer problema. Mas se lhe pedem para beijar um parente afastado ou um amigo da família, a situação altera-se. E quanto mais insistem, pior é. “Tento não entrar em conflito e, por isso, não forço muito. Mas faço força para que cumprimente a pessoa, nem que seja apenas com um olá.”

A discussão sobre se os pais devem ou não coagir as crianças a beijar outras pessoas foi relançada recentemente pela jornalista e escritora colombiana Ana Hanssen. Na opinião do pediatra Mário Cordeiro, “as crianças não devem ser obrigadas a beijar quem quer que seja, embora devam ser entusiasmadas a cumprimentar as pessoas, seja no prédio onde moram sejam com avós ou amigos”. Mas, ressalva, “cumprimentar, que é um ato de cortesia, não é sinónimo da intimidade a que o beijo força”. Por isso, um sorriso ou um aceno podem ser suficientes. “Ser educado é uma coisa, ser beijoqueiro é outra”, destaca. Até porque, lembra o pediatra, “há crianças que não gostam de dar um beijo a uma pessoa com barba”, por exemplo.

Quatro motivos

Ana Hanssen trouxe o tema à discussão, ao fazer um post no site BabyCenter intitulado “Por favor, não peçam beijos aos meus filhos”. Para a escritora, existem quatro motivos pelos quais não se deve forçar as crianças a beijarem desconhecidos: o respeito, pois deve ser a criança a decidir como mostrar afeto; porque o beijo é, para elas, algo íntimo e importante; porque os adultos também não gostariam de ser obrigados a fazê-lo e por uma questão de segurança. Esta última razão é a que tem levantado mais polémica. Ana refere a existência de vários estudos que demonstram que as crianças que são forçadas a beijar são mais vulneráveis a sofrer abusos sexuais.

Em declarações ao jornal espanhol El País, Elena Domínguez, psicóloga e especialista em inteligência emocional, afirmou que “não se deve coagir as crianças a darem beijos a estranhos porque isso é forçá-las a superarem uma barreira natural que mantêm com o desconhecido e que as protege dos perigos”. Segundo a mesma, a criança pode pensar que deve fazer aquilo que os outros pedem e que estranhos podem exercer controlo sobre o seu corpo.

Ao DN, Mário Cordeiro afirmou ter “algumas dúvidas científicas em relação a essa associação causa-efeito”. “Mas concordo que o beijo é um cumprimento mais íntimo do que um aceno. É por isso que sou contra os beijos na boca, exceto numa relação de “amantes”. De qualquer modo, é bom frisar que nos abusos sexuais, e isso deve ficar bem vincado, há na maioria dos casos uma relação de sedução que passa por conquistar a criança, dar-lhe mimo e o agressor surgir como um “guarda-chuva” acolhedor”, destaca o pediatra.

No entanto, há quem defenda que, quando os pais não fazem força para que a criança beije alguém, estão a contribuir para a sua deseducação. Teresa Paula Marques, psicóloga que se dedica à área infantil, afirma que “na nossa sociedade, faz parte da socialização as pessoas cumprimentarem-se”. Se a criança for muito tímida e se mostrar reticente em beijar alguém que acabou de conhecer, a psicóloga sugere que “os pais insistam, passados alguns minutos”. Para a psicóloga, “faz sentido que os pais digam à criança que cumprimente alguém que para eles não é estranho, mostrando-lhes que é um ato de simpatia e de boa educação”.

Relativamente à questão mais polémica levantada no post de Ana Hanssen, Teresa Paula Marques diz que não conhece nenhum estudo que indique que a criança que é obrigada a dar dois beijos a alguém fica mais vulnerável a sofrer abusos sexuais. “Há uma grande diferença entre a criança cumprimentar e deixar-se tocar por alguém. Isso requer que, no momento certo, os pais conversem com ela sobre o assunto”, refere a especialista. E acrescenta: “Muitos abusadores vivem na mesma casa que a criança.”

Fonte: DN.

A ira de um anjo (um testemunho de abuso sexual infantil)

O documentário “Child of Rage” – A Ira de um Anjo, exibido pela HBO em 1992, mostra os efeitos do abuso sexual e de uma vida familiar conturbada na cabeça de uma criança chamada Elizabeth Thomas.

Quando ela tinha 1 ano quando a mãe faleceu no parto de seu irmão. Os dois ficaram sob a guarda do pai, que passou os meses seguintes abusando sexualmente de Beth.Depois de um tempo ela e o irmão foram levados para adoção e um casal acabou conseguindo rapidamente a guarda. Com o passar do tempo, eles começaram a perceber um comportamento estranho por parte da menina. Ela começou a molestar, agredir e a tentar matar o irmão, bem como animais de estimação da casa, e os próprios pais adotivos. A situação se agravou quando algumas facas da casa começaram a sumir e, por medo, os pais começaram a trancar a pronta do quarto da menina durante a noite. Elizabeth Thomas era incapaz de se relacionar com qualquer ser humano e/ou criar laços de afeto, de sentir ou receber amor, além de uma completa falta de empatia, uma vez que ela era capaz de ferir ou matar outros seres vivos sem ressentimentos. Assista:

Em Abril de 1989, Elizabeth Thomas foi internada em uma casa especializada em cuidar de crianças com desordem emocional, e atualmente é enfermeira na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e trabalha cuidando de minúsculos bebês frágeis.

Escreveu um livro, “More than a Thread of Hope” e, junto com sua mãe adotiva, Nancy Thomas, criou uma clínica para crianças com distúrbios graves de comportamento. A sua história serviu de inspiração para o filme Child Of Rage – A Ira de Um Anjo. 

Elisabeth Thomas - Beth

 Elizabeth Thomas atualmente.



A demência está a estabilizar?

Demência parece estar a estabilizar nalguns países
Fotografia © D.R.

Doenças neurodegenerativas do cérebro estarão a estabilizar nas nações mais ricas, segundo estudo publicado na revista The Lancet.

A ocorrência de demência, incluindo Alzheimer, parece estar a estabilizar nas nações mais ricas, de acordo com um estudo divulgado hoje.

Dados da Suécia, Holanda, Reino Unido e Espanha mostram que a percentagem de população com demência – um termo que abrange as doenças neurodegenerativas do cérebro – se encontra estável, bem como o número de novos casos, indica o estudo publicado na revista The Lancet Neurology.

Investigadores liderados por Carol Brayne, professora no Instituto de Saúde Pública da Universidade de Cambridge, compararam a ocorrência de demência em pessoas idosas em dois períodos diferentes nas últimas décadas.

Encontraram poucas diferenças nos dois períodos e num caso, até uma pequena diminuição, na percentagem de população afetada.

Esta tendência pode ser o resultado de melhores condições de vida e educação, bem como melhorias no tratamento e prevenção de doenças vasculares que levam a enfartes e paragens cardíacas, dizem os investigadores.

Se confirmadas, as conclusões deste estudo representam boas notícias e sugerem que a iminente “epidemia da demência” — maioritariamente devido a uma população envelhecida — pode ser menos severa do que se receava.

Estas conclusões são, no entanto, contestadas por outros especialistas.

Aproximadamente 7% das pessoas com mais de 65 anos sofre de algum tipo de demência — essa percentagem sobe para 40% aos 80 ou 85 anos, de acordo com diferentes estimativas.


Fonte: Lusa/DN.

Cientistas fabricam neurónios da serotonina em laboratório pela primeira vez

As células a azul eram fibroblastos, e agora algumas delas, a verde, são neurónios que produzem serotonina.
As células a azul eram fibroblastos, e agora algumas delas, a verde, são neurónios que produzem serotonina. Fotografia © University of Buffalo.



A serotonina está relacionada com a depressão e com outras doenças mentais, e estes neurónios artificiais vão permitir estudá-las como nunca antes.

Pela primeira vez, um grupo de cientistas da Universidade de Buffalo, no estado de Nova Iorque, conseguiu fabricar em laboratório neurónios de serotonina, as células do cérebro que libertam e absorvem o neurotransmissor responsável por regular o humor e os estados mentais humanos. A produção e absorção de serotonina está relacionada com o desenvolvimento de doenças mentais como a depressão.

“O nosso trabalho demonstra que os preciosos neurónios de serotonina escondidos nas profundezas do cérebro humano agora podem ser criados numa placa de Petri”, disse Jian Feng, principal autor do estudo, citado num comunicado da Universidade de Buffalo.

Os investigadores usaram fibroblastos – as células humanas que geram tecidos conectores no corpo – que conseguiram converter nos neurónios de serotonina, que são muito difíceis de obter. A investigação provou que é possível converter um tipo de célula noutra de menor disponibilidade para os cientistas, e o investigador Jian Feng espera que a técnica que criaram possa ser utilizada para desenvolver outras células no futuro.

Até hoje, os cientistas que estudam a serotonina e a sua produção e absorção pelos neurónios tinham que desenvolver o seu trabalho usando células de animais, mas agora poderão produzir neutórnios deste tipo no laboratório, para compreender melhor esse funcionamento.

Os autores deste estudo, publicado na revista Molecular Psychiatry na semana passada, esperam ainda que seja possível fazer crescer neurónios de serotonina a partir de células de pessoas com doenças associadas a esse neurotransmissor, para poder perceber melhor essas doenças e desenvolver tratamentos apropriados.


Fonte: DN.