Antidepressivos de nova geração sem efeito na maioria dos doentes

Os antidepressivos de nova geração, como o Prozac e o Seroxat, não são mais eficazes do que placebos na maioria dos doentes de depressão, segundo um estudo da universidade britânica de Hull hoje divulgado. “A diferença na melhoria entre os pacientes que tomam placebos e os que tomam antidepressivos não é significativa. Isso significa que as pessoas que sofrem de depressão podem passar melhor sem um tratamento químico”, explicou o professor Irving Kirsch, do departamento de psicologia da Universidade de Hull.

Kirsch faz parte de um grupo de especialistas que analisou os dados publicados e não publicados – mas colocados à disposição de organismos certificados – relativos a 47 ensaios clínicos de inibidores selectivos da recaptura da serotonina (ISRS), ou seja, antidepressivos da terceira geração.
Estão neste caso os princípios activos de alguns dos antidepressivos mais prescritos como a fluoxetina (Prozac), venlafaxina (Efexor), a paroxetina (Seroxat) e a nefazodona (Serzone).

Segundo o estudo, publicado pela revista especializada Public Library of Science-Medicine, os ISRS não são mais eficazes que placebos nas depressões ligeiras e na maior parte das depressões graves.
No caso das depressões muito graves, a diferença de resposta deve-se mais a uma menor reacção dos pacientes ao placebo do que a uma reacção positiva aos antidepressivos, segundo o estudo. “Tomando por base estes resultados, parece não haver justificação para a prescrição de tratamentos antidepressivos, com a excepção das pessoas que sofrem de depressão muito grave, a menos que os tratamentos alternativos não tenham produzido melhoras”, explicou Irving Kirsch.

No Reino Unido, onde milhões de pessoas tomam este tipo de antidepressivos, o ministro da Saúde, Alan Johnson, anunciou hoje um plano de 170 milhões de libras (225 milhões de euros) para a formação de 3.600 terapeutas para o tratamento da depressão por terapias alternativas à medicação.
Em 2006, os britânicos gastaram em medicamentos antidepressivos 291 milhões de libras (386,5 milhões de euros), quase metade das quais em inibidores selectivos da recaptura da serotonina (ISRS).
“Para muitas pessoas, prescrever medicamentos é um tratamento que funciona, mas as terapias psicológicas revelaram-se igualmente eficazes que os medicamentos na luta contra os problemas comuns de saúde mental e têm frequentemente mais eficazes a longo prazo”, afirma o Ministério da Saúde britânico no comunicado em que anunciou a medida.

Para a responsável da associação britânica de saúde mental Sane, Marjorie Wallace, se os resultados deste estudo se vierem a confirmar será “muito perturbador” porque os ISRS “representam uma grande esperança para o futuro”.
Esta responsável advertiu que os doentes não devem interromper o tratamento sem conselho médico.

O director-adjunto do Real Colégio de Psiquiatria, professor Tim Kendall, considerou por seu turno estes resultados “fabulosamente importantes” e sublinhou “o perigo” de a indústria farmacêutica não publicar o conjunto dos dados à sua disposição.
Um porta-voz do laboratório Eli Lilly, fabricante do Prozac, indicou que uma “experimentação médica e científica aprofundada demonstrou que a fluoxetina é um antidepressivo eficaz”.

Por seu lado, um porta-voz da GlaxoSmithKline, fabricante do Seroxat, considerou que os autores do estudo “não reconheceram os efeitos muito positivos que estes tratamentos proporcionaram aos doentes e às suas famílias” e que “as suas conclusões contradizem o que foi constatado a nível clínico” e lamentou “a preocupação inútil” que este estudo pode provocar entre os pacientes.

Fonte: Público/Lusa.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s