Falta de cafeína altera ritmo do cérebro

Investigadores norte-americanos decidiram analisar os mecanismos fisiológicos por trás dos sintomas de fadiga e das dores de cabeça dos bebedores de café que subitamente são privados das suas chávenas diárias. Alterações nos ritmos cerebrais, detectáveis nos electroencefalogramas.  O fluxo do sangue nos vasos cerebrais também sofre uma modificação

Os apreciadores de café compreendem melhor do que ninguém o que é não poder tomar aquela caneca diária que ajuda o dia a começar bem. Mas um bebedor de café crónico, quando privado dele, não fica apenas aborrecido. A privação de cafeína tem efeitos específicos conhecidos, que podem ir da fadiga à dor de cabeça, dificuldade de concentração e mesmo uma diminuição do estado de vigilância.

Mas quais são os mecanismos biológicos e fisiológicos que produzem estes sintomas? Uma equipa de investigadores norte-americanos socorreu-se de electroencefalogramas (EEG) e de equipamento de ultra-sons para ir à procura da resposta. E descobriram que a actividade eléctrica no cérebro e a fluxo sanguíneo se alteram nesta situação. Os resultados foram agora publicados na revista científica Psychopharmacology.

Os investigadores, das universidades John Hopkins e de Vermont, estudaram dois grupos de voluntários que eram bebedores crónicos de café e que para a experiência aceitaram suspender o seu consumo. A um dos grupos foram administrados comprimidos de cafeína e ao outro um placebo.

Os investigadores fizeram então a avaliação do fluxo sanguíneo no cérebro recorrendo a ultra-sons e avaliaram também a actividade eléctrica cerebral por EEG.

A privação repentina de cafeína, segundo escrevem os autores, aumenta o fluxo nos vasos sanguíneos cerebrais, o que está na origem da conhecida dor de cabeça que acompanha a privação de cafeína numa pessoa que bebe diariamente café.

Nas medições de EEG, os cientistas observaram algumas alterações, como um aumento de um determinado ritmo, designado por teta, que já tinha sido anteriormente associado a fadiga em situações de privação. Em termos de medidas qualitativas, os voluntários relataram, como era de esperar, um aumento de “cansaço”, “fadiga”, e da sensação de “indolência”.

Outra verificação deste estudo, segundo os seus autores, é a de que a ingestão diária de cafeína “não tem qualquer vantagem acrescida, ao contrário dos que os amantes do café imaginam”, como explicou Stacey Sigmon, da universidade de Vermont, e um dos autores do estudo.

Fonte: DN.

One thought on “Falta de cafeína altera ritmo do cérebro

  1. Eu normalmente não tomo café por prazer, tomo para aguentar o tranco da faculdade e conseguir me concentrar enquanto estou cansado. Faz dois dias que não tomo café, me sinto perfeitamente bem, estou bem animado(aliaz, fiquei mais esses dias), mas estou com uma dor de cabeça forte esses dois dias, kkkk

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s