Doença bipolar e esquizofrenia têm origem genética comum

Já se sabia que a esquizofrenia e a doença bipolar tinham uma base genética, ainda que sejam muito influenciadas também por factores ambientais. Desta vez, um grupo de cientistas que integra o Consórcio Internacional para a Esquizofrenia revela, num artigo publicado na Nature, que a esquizofrenia resulta também do efeito conjunto de centenas, talvez milhares, de variações em genes. No estudo que envolveu mais de seis mil pessoas, comprova-se ainda que uma parte da “vulnerabilidade genética” identificada é comum à doença bipolar.

A variação num gene do cromossoma 22, uma “vasta região” do cromossoma 6 e um gene do cromossoma 2 não são capazes de, isoladamente, levar até um caso de esquizofrenia. Estes são apenas alguns dos “sinais mais intensos identificados”, segundo António Ferreira de Macedo, um dos investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra que participou neste estudo. No total, estarão envolvidas “centenas, ou mesmo milhares, de variações nos genes”. São mutações inócuas se estiverem sozinhas. Porém, a combinação e associação destas características poderá ajudar a explicar vulnerabilidade genética para a doença. António Ferreira de Macedo admite que a descoberta poderá ter consequências importantes no diagnóstico e tratamento da doença mas avisa que não está aberta a porta para um futuro teste genético. «Se forem descobertos os mecanismos causais da doença poderão ser desenvolvidos fármacos que intervenham melhor nesses mecanismos», refere António Ferreira de Macedo.

Os resultados foram comparados com amostras de doentes bipolares e concluiu-se ainda que “uma boa parte das variações genéticas envolvidas são comuns a ambas as doenças”. O estudo baseou-se no método do genome-wide association study, que permite identificar rapidamente marcadores ao longo do ADN completo de diversas pessoas na procura de variações genéticas.

Os resultados surgem na sequência do estudo do mesmo Consórcio, publicado em 2008 na Nature, que apontava para a existência de algumas poucas alterações genéticas de maior efeito, mas em situações mais raras. A esquizofrenia atinge cerca de um por cento da população mundial.

Fonte: Público.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s