Álcool: a droga que afecta 500 mil portugueses

O álcool é considerado a mais perigosa das drogas, à frente mesmo das chamadas “drogas duras” como a heroína, o crack e a cocaína, numa avaliação ontem publicada na prestigiada revista médica “The Lancet” – que calcula de forma combinada os danos individuais e sociais.
E a dependência do álcool continua a ser “muito tolerada” em Portugal, onde, para um máximo de “entre 70 a 80 mil toxicodependentes pesados”, existem cerca de 500 mil pessoas com síndrome de dependência de álcool.

Mas o problema não é só português. “O álcool é a cocaína da Europa”, diz o psiquiatra, que lamenta que em Portugal “falte uma atitude de saúde pública integrada para combater” este problema.

A cocaína também surge no ranking britânico, mas bem longe do álcool, da heroína e do crack. E o tabaco aparece logo a seguir, acima das anfetaminas, do ecstasy e dos cogumelos mágicos (ver gráfico). Realizado pelo comité liderado pelo ex-consultor governamental britânico David Nutt – demitido em 2009 depois de propor a alteração da classificação das drogas e de chegar a afirmar que andar a cavalo era mais perigoso do que consumir ecstasy -, o ranking foi ontem apresentado em Londres, numa reunião em que participou o presidente do Instituto da Droga e Toxicodependência, João Goulão, agora responsável pela aplicação da política portuguesa do álcool.

O que pensa Goulão do estudo? “É uma metodologia que, não sendo perfeita, pode ser uma nova forma de avaliar, sem pressupostos ideológicos, o que realmente é perigoso”, concede.

Sobre a política portuguesa a este nível João Goulão lembra que o Plano Nacional para a Redução dos Problemas Ligados ao Álcool – aprovado este ano e que prevê o aumento da idade de proibição de venda dos 16 para os 18 anos e a redução da taxa de alcoolemia para recém-encartados até 2012 – contempla metas que “vão demorar algum tempo” a concretizar. Defende, aliás, que a primeira medida “não faz sentido sem que a proibição de venda a menores de 16 anos seja efectiva”. E isto passa mais “pela educação e formação dos pais, envolvendo os jovens e os vendedores”, do que pela “repressão”.

Mas reconhece que há aspectos da lei que devem ser revistos. Dá o exemplo da fiscalização, a cargo da ASAE e das polícias. As autoridades apenas podem abrir processos se apanharem os jovens em flagrante delito.

Num estudo divulgado este ano, a associação de defesa dos consumidores Deco concluiu que mais de metade dos jovens com idade inferior a 16 anos compravam bebidas alcoólicas, apesar da proibição legal.

Fonte: Alexandra Campos, Público.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s