Maioria das mulheres com mais de 66 anos são infoexcluídas

Este é o resultado de um estudo nacional que demonstra que a rapidez de evolução das novas tecnologias não tem sido acompanhada pelos seniores.

O estudo “Representações e usos das tecnologias digitais por diferentes grupos de seniores em Portugal”, da investigadora Isabel Dias, do departamento de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, revela que há uma relação entre o uso das tecnologias de informação, em particular a Internet e o computador, a idade e o género das pessoas entrevistadas.

Para o resultado da pesquisa, que hoje será apresentada numa conferência em Lisboa, foram entrevistadas 91 pessoas com mais de 55 anos, 57 delas com idades entre os 55 e os 65 anos e 34 com mais de 66 anos. Dentro do grupo de entre 55 a 65 anos, 32 são homens e 25 são mulheres, enquanto no grupo com mais de 66 anos, a divisão é equitativa.

De acordo com os resultados da investigação, 52,9 por cento das mulheres com mais de 66 anos admitem nunca ter usado a Internet, enquanto apenas 11,8 por cento dos homens na mesma faixa etária estão na mesma situação.

Conclusão semelhante quando analisado o grupo entre os 55 e os 65 anos, onde 32 por cento das mulheres nunca usou a Internet, contra apenas 6,5 por cento de homens.

Por oposição, há pouca diferença entre homens e mulheres entre os 55 e os 65 anos em relação aos que usam muito frequentemente a Internet, havendo 32,3 por cento de homens e 28 por cento de mulheres. Na faixa etária acima dos 66 anos, regista-se 35,3 por cento de homens, contra 11,8 por cento de mulheres.

“São os homens seniores (inclusive os mais velhos) que revelam um uso mais frequente da Internet. No caso das mulheres, são as idosas mais jovens que o fazem”, aponta o estudo.

Um outro estudo, da autoria da investigadora Lídia Oliveira, da Universidade de Aveiro, conclui o mesmo e revela que, dos 82 inquiridos com mais de 55 anos, 29,3 por cento admite não saber usar a Internet, nunca a ter usado ou não utilizar actualmente.

Dentro deste grupo, a principal razão para não usar a Internet tem a ver com a falta de acesso (60,9 por cento), seguido da falta de necessidade quer pessoal ou profissional.

O lugar mais privilegiado no acesso à Internet é o lar (mais de 40 por cento), logo seguido da biblioteca (cerca de 35 por cento).

“Verifica-se que os serviços que são utilizados com mais frequência são os serviços miméticos de pré-Internet, ou seja, o e-mail mimetiza o correio postal, ver informação sobre política ou economia mimetiza a consulta de jornais, aceder a material para elaborar trabalhos mimetiza o acesso a livros”, adianta o estudo “Os media nos percursos vivenciais dos seniores”.

Nesse sentido, “todos os serviços que implicam uma mudança na lógica de uso e/ou na linguagem têm um índice de frequência de utilização baixíssima”.

Os dois estudos, realizados no âmbito do Projecto Inclusão e Participação Digital, vão ser apresentados hoje na Conferência “Diversidade Digital”, que decorre na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Fonte: DN.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s